segunda-feira, 27 de maio de 2013

A Formiguinha e a neve


Certa vez, uma formiga ficou com os pés na neve e disse: - Ó neve, tu que és tão forte que prendes meus pezinhos, solta-me! - Não sou tão forte, poi o sol me derrete - respondeu-lhe a neve.


- Ó sol tu que és tão forte, que derretes a neve que prende meus pezinhos, solta-me! - Não sou tão forte, pois a parede me encobre - respondeu-lhe o sol.


- Ó parede, tu que és tão forte, que encobres o sol, que derrete a neve, que prende meus pezinhos, solta-me! - Não sou tão forte, pois o rato me fura - respondeu-lhe a parede.


- Ó rato, tu que és tão forte que furas a parede que encobre o sol, que derrete a neve, que os meus pezinhos prende, solta-e! - Não sou tão forte, pois o gato me come - respondeu-lhe o rato.



- Ó gato, tu és tão forte, que comes o rato que fura a parede, que encobre o sol, que derrete a neve, que os meus pezinhos prende, solta-me! - Não sou tão forte, pois o cão me morde - respondeu-lhe o gato.


- Ó cão, tu que és tão forte que mordes o gato, que come o rato, que fura a parede, que encobre o sol, que derrete a neve, que os meus pezinhos prende, solta-me! - Não sou tão forte, pois o pau me bate.


- Ó pau, tu que és tão forte que bates no cão, que morde o gato,, que come o rato, que fura a parede, que encobre o sol, que derrete a neve, que os meus pezinhos prende, solta-me! - Não sou tão forte, pois o fogo me queima - respondeu-lhe o pau.


- Ó fogo, tu que és tão forte que queimas o pau, que bate no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que encobre o sol,, que derrete a neve, que os meus pezinhos prende, solta-me! - Não sou tão forte, pois a água me apaga - respondeu-lhe o fogo.


- Ó água, tu que és tão forte que apagas o fogo, que queima o pau, que bate no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que encobre o sol, que derrete a neve, que os meus pezinhos prende, solta-me!


- Não sou tão forte, pois o boi me bebe
- respondeu-lhe a água.


- Ó boi, tu que és tão forte que bebes a água, que apaga o fogo, que queima o pau, que bate no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que encobre o sol, que derrete a neve, que os meus pezinhos prende, solta-me! - Não sou tão forte, pois o homem me domina - respondeu-lhe o boi.


- Ó homem, tu que és tão forte, que dominas o boi, que bebe a água, que apaga o fogo, que queima o pau, que bate no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que encobre o sol, que derrete a neve, que os meus pezinhos prende, solta-me! - Não sou tão forte, pois Deus me governa - respondeu-lhe o homem.


- Ó Deus, tu que és tão forte, que governa o homem, que domina o boi, que bebe a água, que apaga o fogo, que queima o pau, que bate no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que encobre o sol, que derrete a neve, que os meus pezinhos prende, solta-me!


No mesmo instante o sol raiou, naquele inverno, sobre a neve e esta se desfez, como por encanto, soltando os pezinhos da pobre formiguinha.


- Muito agradecido oh Deus!

Diálogo p/ Teatro

A formiga e a neve

NARRADOR: Certa manhã de inverno uma formiguinha saiu para seu trabalho diário. Já ia muito longe à procura de alimento, quando de repente um floco de neve caiu e prendeu seu pezinho. Aflita vendo que não podia se livrar da neve, e iria assim morrer de fome e frio, voltou-se para o sol e disse:

FORMIGA: Óh sol, tu que és tão forte,

derrete a neve que prendeu o meu pezinho.

NARRADOR: E o sol indiferente nas alturas falou:

SOL: Mais forte do que eu, é o muro que me tapa.

NARRADOR: Olhando então para o muro

a formiguinha pediu:

FORMIGA: Oh muro tu que és tão forte que tapas

o sol que derrete a neve, desprende o meu pezinho?

NARRADOR: E o muro que nada vê e muito pouco fala,

respondeu apenas:

MURO: Mais forte do que eu é o rato que me rói.

NARRADOR: Voltando-se então para o ratinho

que passava apressado, a formiguinha suplicou:

FORMIGA: Oh rato, tu que és tão forte, que rói o muro que tapa o sol que derrete a neve, desprende o meu pezinho?

NARRADOR: Mas o rato que também ia fugindo do frio gritou de longe:

RATO: Mais forte do que eu é o gato que me come!

NARRADOR: Já cansada a formiguinha pediu ao gato:

FORMIGA: Oh gato, tu que és tão forte, que comes o rato, que rói o muro que tapa o sol que derrete a neve, desprende o meu pezinho?

NARRADOR: E o gato sempre preguiçoso disse bocejando:

GATO: Mais forte do que eu sou

é cão que me persegue...

NARRADOR: Aflita e chorosa a pobre formiguinha pediu ao cão:

FORMIGA: Oh cão tu que és tão forte que persegues o gato come o rato, que rói o muro que tapa o sol que derrete a neve, desprende o meu pezinho?

NARRADOR: E o cão que corria atrás de uma raposa,

respondeu sem parar:

CÃO: Mais forte do que eu sou é o homem que me bate.

NARRADOR: Já quase sem força, sentindo o coração gelado de frio a formiguinha implorou ao homem:

FORMIGA: Oh homem, tu que és tão forte que bate no cão que persegue o gato que come o rato que rói o muro que tapa o sol que derrete a neve, desprende o meu pezinho?

NARRADOR: E o homem sempre preocupado com o seu trabalho respondeu apenas:

HOMEM: Mais forte do que eu sou é a morte que me mata.

NARRADOR: Trêmula de medo, olhando para a morte que se aproximava a pobre formiguinha suplicou:

FORMIGA: Oh morte, tu que és tão forte que mata o homem que bate no cão que persegue o gato que come o rato, que rói o muro que tapa o sol que derrete a neve, desprende o meu pezinho?

NARRADOR: E a morte que nada fala impassível respondeu...

MORTE: ................

NARRADOR: Quase morrendo, então a

formiguinha rezou baixinho...

FORMIGA: Meu Deus, o senhor, que é tão forte, que governas a morte, que mata o homem, que bate no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende o meu pezinho?

NARRADOR: E então, Deus que ouve todas as preces sorriu, estendeu a mão por cima das montanhas, e ordenou que viesse a primavera. No mesmo instante no seu carro de ouro a primavera desceu por sobre a terra, enchendo de flores os campos, enchendo de luz os caminhos. E vendo a formiguinha quase morta gelada pelo frio, tomou-a carinhosamente entre as mãos e levou-a para seu reino encantado, onde não há inverno, onde o sol brilha sempre e onde os campos estão sempre cobertos de flores.

SOL: Mais forte do que eu sou é o muro que me tapa.
MURO: Mais forte do que eu sou é o rato que me rói.
RATO: Mais forte do que eu sou é o gato que me come!
GATO: Mais forte do que eu sou é cão que me persegue...
CÃO: Mais forte do que eu sou é o homem que me bate.
HOMEM: Mais forte do que eu sou é a morte que me mata.

O livro "A FORMIGUINHA E A NEVE" de autoria de "João de Barro" foi adaptado para o teatro. Fonte: Teatro Cristão.


Conteúdo extraído dos blogs:
Espaço Educar e Histórias Evangélicas Infantis

Vídeo


Anexos


4 comentários:

  1. Lindo a historinha da formiguinha e da neve. O vídeo completa sua postagem, muito bem representada pelos artistas mirins. Bela postagem Parabéns ir. Fausto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmã Nal... também achei linda a apresentação. Tudo aquilo que é feito por criança tem um toque especial!

      Excluir
  2. Olá Tio Fausto

    Obrigada pela visita ao meu blog, gostei muito. O seu é muito edificante, amo o Ministério infantil e você disponibiliza muita coisa interessante. Que Deus continue usando tua vida. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmã Lucinalva... eu que agradeço a apoio e incentivo. Espero que realmente o blog seja uma benção, mas quero faze-lo com muito respeito e dignidade.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...